Kabuki: conheça essa forma teatral exagerada e incomum, no recatado Japão

kabuki - featured

Teatro dos exageros, o nada convencional mundo do Kabuki

Nosso último post sobre a cultura japonesa nos levou a conhecer o Noh, uma forma do teatro clássico japonês (considerada a mais antiga do mundo), executada desde o século XIV.

Mergulhamos nessa história, logo quando busquei em minhas memórias, uma música do Caetano, se lembram? E que tal hoje falarmos do Kabuki? Garanto que essa forma teatral é muito interessante.

Ao contrário do Noh, o Kabuki é uma espécie de teatro plebeu. Seu nome pode ser proveniente da palavra Kabuku (desviar, ser fora do comum), um teatro que rompe tabus e estereótipos desde o nome que o apresenta.

kabuki - pinturas

Crédito: A2ua | Pinturas faciais do Kabuki

Como surgiu o Kabuki

Fundado em 1603 por uma sacerdotisa do santuário de Izumo chamada Okuni (sim, uma mulher! Olha o poder!), o Kabuki em seu início, era composto por danças de oração, dramáticas (nembutsu odori) e acrescidas de encenações cômicas (kyōgen) sobre a vida cotidiana. As danças acabaram por trazer um ar bastante sensual e muitas das mulheres do kabuki se predispunham à prostituição.

E como o homem tomou o lugar da mulher no Kabuki?

Em 1629, tornou-se proibido a prática do Kabuki feminino, justamente por associar teatro à prostituição. A partir daí, surge o Kabuki de mocinho, wakashū kabuki, encenado por rapazes de até 15 anos e, sob a mesma alegação, o teatro Kabuki de mocinho foi proibido no ano de 1652. No ano seguinte reabrem o teatro, desta vez restrito a homens adultos (yarō kabuki).

kabuki - criadora do kabuki okuni

Crédito: Embaixada do Japão

Assim, nasce o kabuki interpretado por homens em papéis variados e, mais uma vez, rompendo tabus, atores derrubam estereótipos e interpretam mulheres, esbanjando talento e cumprindo o papel de artista provocador, em pleno século XVII. Vale ressaltar um nome expressivo desta época conhecido como onnagata (ator que interpreta papéis femininos), o ator Ayame Yoshizawa I (1673-1729).

kabuki - ator ayame yoshizawa

Crédito: Kabuki 21 | Desenho do ator Ayame Yoshizawa


Está gostando de conhecer um pouco mais sobre a cultura japonesa através do Teatro Kabuki? Compartilhe essa experiência com seus amigos amantes da cultura japonesa…


Características do Kabuki

Se por um lado tivemos o Noh com seu minimalismo quase contemplativo, o Kabuki é exagerado, realista e promovendo ruptura de padrões. É o teatro que se opõe a aristocracia, um teatro feito por pessoas comuns e como dito anteriormente, muitas foram acusadas de prostituição, prática muito estigmatizada ainda nos tempos atuais.

Sem máscaras, os atores surgem com as faces maquiadas em um palco retangular que é uma verdadeira ode ao exagero, cores berrantes, repletos de adereços e nele atores apresentam os 5 estilos de atuação no Kabuki:

  • pantomima (mímica) e ocorre na escuridão total;
  • o aragoto, maquiagens vigorosas, vestes extravagantes;
  • o wagoto, mais suave e sensual;
  • o maruhon, com bonecos;
  • o shosagoto que é um estilo de dança.
kabuki - teatro encenação

Crédito: Wikipedia | Encenação e teatro Kabuki

Curiosidades sobre o Kabuki

Conforme fui me aprofundando nas pesquisas (sim, cada post é um mergulho e de muitas leituras), achei interessante mostrar que dentro de cada estilo do Kabuki, grandes atores destacaram-se e um deles deixou um verdadeiro legado, uma dinastia teatral, uma família inteira dedicada ao teatro, o Ichikawa Danjūrō. Infelizmente, nem todos os principais atores deixaram retratos ou pinturas suas, mas a imaginação solta já me fez criar inúmeros rostos.

kabuki - família ichikawa

Crédito: Wikipedia | Foto da Família Ichikawa

Tudo nesse teatro é fascinante, diferente, incomum, palco, dramaturgia e, principalmente a história. Confesso que produzir esse texto foi muito difícil, pois fiquei tão maravilhada com tudo, que chegar a um fim parecia impossível.

Continuamos em breve as nossas viagens pelos costumes japoneses e fiquem por perto, pois sempre tem coisa nova para descobrir e eu mal posso esperar!

 

Fique Atualizado!

<

p style=\"text-align: center;\">Preencha seu email abaixo e receba gratuitamente as novidades!


Beatriz Torres

Cantora e compositora. As próprias custas produção cultural. Nova redatora do Blog Vida de Tsuge, tem a missão de trazer e disseminar a arte e cultura japonesa.