Conhecendo a Obaachan: a vovó Tsuge e os seus ensinamentos

Por que a Obaachan ama o Brasil?

Como tudo começou…

Obaachan, pra quem não sabe, é a forma carinhosa de chamar a vovó. Nessa postagem, vamos contar um pouco da história dessa grande mulher de 1,45mt, que deu origem à saga do Vida de Tsuge. Na verdade, ela nem imagina que será a protagonista desta história, mas foi com ela que aprendemos esse Tsuge Lifestyle. Aos 74 anos, é uma pessoa gentil, educada, autêntica, sincera AO EXTREMO e não aceita coisas erradas. É um ser humaninho que encanta a todos, com um equilíbrio entre firmeza e generosidade. Ai! E como cozinha bem! Nhami, nhami.

Com ela, aprendemos valores e princípios morais e éticos. Aprendemos a dar sempre o melhor e servir. Aprendemos que há sempre o que aprender, que temos que ter humildade, falar a verdade, que o certo é certo, o errado é errado e que não somos perfeitos. Aprendemos que se não obedecermos os pais, somos expulsos de casa, mesmo aos 6 anos de idade (essa é outra história que vocês conhecerão em breve). Aprendemos na pele, o sentido de honra.

Há mais de 100 anos, os japoneses fizeram o caminho inverso do que os brasileiros têm feito nessas últimas décadas: ir para outro país em busca de oportunidades melhores; ir atrás do sonho de ganhar mais dinheiro. Afinal, o Brasil era visto como o país das oportunidades.

Nessa onda, Obaachan desembarcou no Rio de Janeiro em 1962, aos 20 anos, querendo reencontrar as irmãs que já estavam aqui. Nascida durante a Segunda Guerra Mundial, numa família de classe média, perdeu a mãe com 1 ano de idade e se viu numa situação em que, embora tivesse posses, não tinha o que comer, pois não havia o que comprar. A guerra coloca todo mundo, numa mesma situação.

Embora, o começo de vida em outro país sempre seja difícil, pra quem já passou por uma guerra mundial, tudo parece fácil. Mais uma vez, a Obaachan, dá uma lição de vida, falando do país que a acolheu e do seu povo hospitaleiro: Nosso querido Brasil!

A obaachan conta no vídeo das dificuldades que passou, a falta de luz, falta de shampoo para lavar os cabelos e agradeceu a ajuda de pessoas como a D. Carmem, D. Chiquinha… No desespero, ela escrevia para o pai dela, querendo voltar para o Japão, mas um pai japonês, não permite que o filho se deixe tomar pela fraqueza. Tem que aguentar!

Chegando no Rio de Janeiro, ela foi morar em Cachoeiras de Macacu, deu aula de japonês no clube japonês e lá conheceu o marido, o Tsuge patriarca, o Odiichan (avô). A família não aceitou o namoro e a Obaachan fugiu de casa, levando uma máquina de costura em cima da bicicleta.

Casaram-se, passaram dificuldades e, mesmo assim, quando ela fala do assunto sempre pontua que “foi muito bom”. Os brasileiros ajudaram muito!

“Foi muito bom… Não sabia falar nada… Brasileiro foi muito bom pra gente!”

Numa época em que o Brasil passa por tantos problemas, é bom saber que tem gente que acredita nesse país e nos ensina que, apesar de tudo, é um excelente país para se viver. Ela disse que as pessoas são calorosas e receptivas. Estão sempre dispostas a ajudar. Ô povo solidário, esse tal de brasileiro!

“Por isso que eu gosto muito do Brasil. Brasileiro é muito bom”

Talvez, muitas pessoas não aguentem o que os imigrantes passaram, mas não tem como voltar atrás. A Obaachan conta que tudo era novidade! É a forma de ver a vida. É uma questão de perspectiva. Se ficar focando no negativo, tudo parece pior. Com aquele jeitinho especial e sorriso largo, faz parecer fácil o início da vida em outro país. Em momento algum, Obaachan reclamou de alguma coisa.

Mesmo que a maioria dos japoneses não tenham enriquecido, a maioria teve uma vida confortável sim e hoje sofrem, como todos os brasileiros, os efeitos da crise. Mesmo assim, o sentimento de gratidão que a obaachan tem pelo Brasil, é uma lição que ela nos dá, mais uma vez.

“A gente nem sentiu sofrimento no Brasil… nunca faltou comida.”

Talvez, devemos fazer como ela e agradecer que temos comida à mesa, que temos capacidade de trabalho e que, com atitudes e pensamentos positivos, podemos ter uma vida mais feliz!

E se você acha que está sem motivos para agradecer, RESPIRE. Pronto... já tem um.
Scheila A. Hinnah

Gambatê!

Fique Atualizado!

Receba as novidades no nosso Blog em primeira mão!

Milene Tsuge

Jornalista por formação, é curiosa e espontânea. Sua marca registrada é o sorriso. Sabe ser sargentão, mas tem os momentos "deixa a vida me levar". Muito autêntica no seu jeito de ser, é uma mãe "vida loka".