hetarllen_mumriken_bon_odori_obon_cultura-japonesa_vida-de-tsuge_vdt

Estamos no mês de agosto, um mês muito importante para o japonês. É o mês do Festival OBON, o dia de finados no Japão.

Obon, ou simplesmente Bon é o nome do festival para celebrar a visita dos espíritos dos antepassados e realizado em todo o território japonês. Tradicionalmente o festival dura 3 dias, entre os dias 13 e 15 do sétimo mês lunar, que é em Julho. Hoje, é comumente comemorado em Agosto, entre os dias 13 e 16, mas há diferentes datas de comemoração, dependendo da região do país. Em Shizuoka, na terra da família Tsuge, é comemorado em julho.

tumulo-japones_obon_cultura-japonesa_vida-de-tsuge_vdt

Se preparando para receber a visita dos antepassados

Ao contrário do que se pensa, o Festival Obon é bonito, animado e comemorado por todas as gerações. Conhecido também, como Festival dos Mortos ou Festival de Verão, é uma tradição budista realizada para cultuar a memória dos antepassados, comemorada há mais de 500 anos e, cujos espíritos retornam às suas casas nesta época.

Os antepassados no Japão são tidos como protetores da família e as famílias se reúnem para homenagear seus mortos e se preparam para receber a visita dos espíritos ancestrais com vários rituais. O elemento fogo vai estar presente durante todo o festival.

okuribi_obon_cultura-japonesa_vida-de-tsuge_vdt

Para começar, os japoneses limpam a casa, vão ao cemitério limpar os túmulos e colocam oferendas - alimentos, frutas, flores - em frente ao butsudan, um altar em memória dos antepassados.

butsudan-2_obon_cultura-japonesa_vida-de-tsuge_vdt

Conheça os rituais do Obon e entenda essa festividade para os mortos

O Obon é celebrado com muitas festas e rituais. Vamos conhecer os rituais principais?

  1. No primeiro dia, as pessoas vão até o túmulo de suas famílias, limpam os túmulos e chamam os espíritos ancestrais de volta para casa. Na noite de 13 de agosto é praticado o ritual “mukae-bon”, onde se acendem lanternas dentro de casa e próximo ao portão de entrada, para indicar o caminho e dar boas-vindas aos espíritos. Também, se enfeita o butsudan com lanternas de papel – chochin, além das oferendas.

pepino e berinjela

  1. É comum pôr um pepino decorado com quatro palitos, algo similar a um cavalo, para que os espíritos possam chegar mais rápido. No dia 16, a berinjela representa o boi para que os ancestrais retornem mais devagar.

tooro_nagashi_obon_cultura-japonesa_vida-de-tsuge_vdt

  1. Durante todo o festival, se vê a dança folclórica bon odori nas ruas, templos, santuários, parques e jardins, ao som dos tambores taiko. Qualquer pessoa pode entrar na dança e dançarinos de todas as idades, vestindo o yukata - quimono de verão, dão boas-vindas aos finados. O ambiente fica animado e a dança mescla movimentos que remetem às principais atividades da região, como pesca, agricultura ou mineração

einharch_bon_odori_obon_cultura-japonesa_vida-de-tsuge_vdt

  1. No dia 16 de agosto, fim do festival, os espíritos são conduzidos de volta aos túmulos pelas pessoas, em lanternas de papel pintadas com o nome ou brasão da família. Além disso, no fim do dia, tem o ritual Tooro Nagashi, onde as pessoas enviam os espíritos ancestrais em lanternas de papel, flutuando em rios, lagos e mares, indicando o caminho de volta, com o nome dos falecidos escritos nelas. Em determinadas localidades, como Kyoto, se acendem as “fogueiras de despedida”, na forma de ideogramas que são avistadas nas montanhas que cercam a cidade.

tooro-nagashi_silvia_obon_cultura-japonesa_vida-de-tsuge_vdt

Durante o Obon aeroportos, estações de trem e rodovias estão lotadas!

Obon não é um feriado nacional japonês , mas muitas pessoas tiram férias durante este período, para que possam visitar suas cidades natais. Além de ser verão, aeroportos, estações de trem e rodovias estão cheias de viajantes. Fica ligado!

Também, foi no dia 15 de Agosto de 1945 que o imperador Hirohito anunciou pelo rádio a rendição oficial do Japão e o fim da Segunda Guerra Mundial. Uma data histórica que traz para o japonês um sentimento de tristeza, mas que se transformou em um dia de reflexão sobre o que a guerra traz.