Obon: Culto às almas dos antepassados em clima de festival, num dos feriados mais longos do Japão

No mês de Agosto, acontece o Obon, que é equivalente ao nosso dia de Finados, num dos maiores feriados do Japão. Mas, diferentemente daqui que é só um dia, as comemorações no Japão acontecem por quase 1 semana, agitando o país.

O Obon, embora festivo, tem como característica maior o culto ao espírito e respeito à memória dos antepassados. A ancestralidade é levada muito a sério no Japão e nas residências é comum encontrar um altar budista, Butsudan, com referência dos antepassados em tabuinhas (ihai) que são reverenciados diariamente, com oferendas.

Muita gente vai para as suas cidades de origem, rezar pelos seus antepassados, em família. Os aeroportos, hotéis, estações de trem e pontos turísticos também ficam lotados. Os templos, santuários e túmulos são muito visitados nesta época, em todo o país.

turistas_Obon_Cultura-Japonesa_Vida-de-Tsuge_VDT

É uma das épocas mais caras para se fazer turismo. Se você gosta de passear aproveitando ao máximo os locais turísticos e religiosos, e desfrutar de um passeio mais tranquilo, é melhor escolher outra data. Mas se você gosta de mergulhar na cultura e entender de vez, a relação "festiva" do japonês com a morte, você não pode perder o Obon.

Embora não seja um feriado nacional japonês, muitas empresas dão “férias coletivas” nesta época, pois as pessoas cruzam o país para visitar o túmulo dos seus antepassados. O festival Obon provoca um deslocamento enorme de pessoas, dos grandes centros para outras cidades e as estradas ficam cheias.

Origem do festival Obon

É um evento tradicional japonês, dos mais importantes e existem várias teorias para a origem do Obon. Mas o motivo principal, é cultuar a memória dos antepassados e guiar as almas a encontrarem a paz, no mundo espiritual. Acredita-se que, nessa época, os espíritos dos antepassados, voltam para casa e visitam suas famílias. Por isso, esse período é celebrado com muitas festas e rituais budistas.

obon-odori_Obon_Cultura-Japonesa_Vida-de-Tsuge_VDT

O Festival Obon era comemorado no 15º dia, do sétimo mês pelo calendário lunar chinês, ou seja, Julho. Com a adoção do calendário gregoriano em 1873, o Obon é celebrado no dia 15 de agosto e geralmente dura pelo menos 3 dias. Algumas regiões ainda celebram no dia 15 de de julho, principalmente em Okinawa. O Festival vai do dia 13 ao dia 16 de agosto, em quase todo o país.

Conheça os rituais do Obon e a dança Bon Odori

O fogo é o elemento que ilumina a chegada das almas dos antepassados e também o caminho de volta. Quando o Obon começa, se penduram lanternas com o símbolo da família na entrada das casas para iluminar e guiar os espíritos no caminho para casa.

obon-lantern2_Obon_Cultura-Japonesa_Vida-de-Tsuge_VDT

Certamente, você vai ver apresentações de dança folclórica - Bon Odori - de participação coletiva e popular, executadas calorosamente por todos, em parques, jardins, santuários ou templos.

Jovens e idosos dançam o Bon Odori  no pátio dos templos e santuários. Apesar de ser um evento que tem como propósito fortalecer a fraternidade na região, originalmente era um costume para conduzir para o outro mundo os espíritos ancestrais recebidos e confortados durante o obon. Esta festividade também expressa a alegria de viver e a gratidão aos antepassados, além de ser um ritual para afastar o infortúnio. (Portal Mie)

Os japoneses limpam as casas e oferecem uma variedade de oferendas – alimentos e bebidas – que são colocadas em frente ao altar. Também se faz a limpeza dos túmulos, acendem-se velas e incensos, com muita oração.

No dia 16, finalizando esse período, temos o Tōrō Nagashi, onde lanternas (com os nomes dos falecidos) e barquinhos com velas são “despejadas” nos rios, lagos e mares, para guiar a partida dos antepassados de volta ao mundo espiritual e encontrar a paz.

tooro-nagashi_silvia_obon_cultura-japonesa_vida-de-tsuge_vdt

Se você gostou desse post, também vai gostar desses aqui:

Siga a gente nas mídias sociais e fique por dentro de tudo que rola no Vida de Tsuge.

Referências de artigos sobre Obon:

Jornalista por formação, é curiosa e espontânea. Sua marca registrada é o sorriso. Sabe ser sargentão, mas tem os momentos "deixa a vida me levar". Muito autêntica no seu jeito de ser, é uma mãe "vida loka".