Trabalhar no Japão vai ser possível, mesmo sem ter parentes japoneses!

Enfim, chegou a notícia que muitos esperavam: não precisa mais ter parente japonês para ir trabalhar no Japão. O que era um sonho quase impossível, vai virar realidade a partir de abril de 2019. Muitos brasileiros estão saindo do Brasil e tentando a vida em outros países e o Japão vai ser mais uma opção.

A nova lei permitirá a entrada de trabalhadores estrangeiros, com baixa qualificação, para trabalhar no Japão. Essa medida, muito criticada por sinal, pretende frear o aumento da escassez de mão-de-obra na terra do sol nascente. O envelhecimento da população e o baixíssimo índice de natalidade são responsáveis por essa falta de mão-de-obra no mercado de trabalho nipônico.

Possível sim, fácil não. O Japão é extremamente cauteloso e porque não dizer, preconceituoso, quanto à entrada de imigrantes estrangeiros. Há o temor do choque cultural e do aumento da criminalidade, por parte dos japoneses. Mesmo assim, é um dos países mais seguros do mundo.

imigrante_Trabalho-no-japão_Cultura-japonesa_Vida-de-Tsuge_VDT
japão_Trabalho-no-japão_Cultura-japonesa_Vida-de-Tsuge_VDT

Dica de ouro: para trabalhar no Japão, estude a cultura deste povo milenar!

Se você pensa em ir trabalhar no Japão, comece a estudar e entender os hábitos e a cultura deste país tão singular, pois uma gafe sua, pode ser de uma indelicadeza e ser uma pena de morte para os seus sonhos dourados de construir uma carreira por lá.

Você ir à trabalho é bem diferente de você ser turista. Do turista, se tolera quase tudo. Mas quando você vive lá, o tratamento é outro. Leia um pouco mais sobre a cultura japonesa, clicando aqui.

Saber minimamente o idioma (comece a estudar), ser disciplinado, respeitar a hierarquia, respeitar os mais velhos, respeitar as regras, pontualidade, não dar desculpas, assumir os erros, são comportamentos esperados e básicos para uma boa convivência com o japonês. Ah! O sentido de coletividade é levado à risca. A medida para isso é: vou incomodar alguém? Não faça! Vai ser bom para todos? Ajude a fazer!

japao2_Trabalho-no-japão_Cultura-japonesa_Vida-de-Tsuge_VDT
coletividade_Trabalho-no-japão_Cultura-japonesa_Vida-de-Tsuge_VDT

Que tipo de trabalho vai ter para os estrangeiros no Japão?

Como em todo o mundo, as vagas de emprego para imigrantes estrangeiros, na maioria das vezes, são operacionais. No Japão, a maioria das oportunidades se concentra nas fábricas, mas tem vaga para brasileiros em restaurantes, comércios, supermercados e lojas de conveniência. Eu tenho uma prima que foi recentemente para lá, e está dando aula para crianças brasileiras. Com um pouco de qualificação, encontram-se outras oportunidades.

Há contratações também, na área de tecnologia de informação, engenharia, professores de idiomas, dentre outras áreas. Aí, você tem que saber pelo menos falar em inglês e um diferencial maior, falar em japonês. Tem sites de empregos no Japão com todo o tipo de oportunidade.

Veja os profissionais em falta no Japão e a vaga que pode ser para você: engenheiro, gerentes e representante de vendas, profissionais de TI, médicos, contadores e profissionais de finanças, motoristas, técnicos e operários. Se você sabe japonês, já pode se candidatar. Se não sabe nada, comece a aprender com a nossa obaachan, clicando aqui!

Mas é claro que não poderíamos deixar de falar sobre o salário mínimo no Japão. O salário mínimo japonês é calculado em horas e o valor varia de cidade para cidade. Considerando uma média baixa, de 1000 ienes (+-10 dólares) por hora, trabalhando 44 horas semanais, o salário mensal fica em torno de R$7 mil reais (com a cotação aí beirando os R$4,00 por dólar), para mão-de-obra operacional.

operário_Trabalho-no-japão_Cultura-japonesa_Vida-de-Tsuge_VDT
indústria_Trabalho-no-japão_Cultura-japonesa_Vida-de-Tsuge_VDT

Ok! Quero ir trabalhar no Japão. O que fazer?

Com a nova legislação, foram criados dois novos tipos de vistos de trabalho: um para o nível operacional com baixa qualificação, que poderá ficar no Japão por até 5 anos e não poderá levar a família. O outro tipo, é para os profissionais com um certo nível de escolaridade, podendo levar familiares, com a possibilidade de ficar mais tempo no país, enquanto tiverem emprego.

As regras ainda não estão muito claras, mas vale a pena entrar nos sites que ofertam empregos no Japão, para saber o que será preciso providenciar. Hoje, são aceitos apenas, como imigrantes trabalhadores, os descendentes de japoneses, que precisam atender a uma série de exigências e profissionais altamente qualificados, que geralmente são convidados pelas empresas japonesas.

engenheiro_Trabalho-no-japão_Cultura-japonesa_Vida-de-Tsuge_VDT
TI_Trabalho-no-japão_Cultura-japonesa_Vida-de-Tsuge_VDT

Mas vale a pena trabalhar no Japão? Ouvi dizer que é caro viver lá...

Se vale a pena trabalhar no Japão, quem tem que fazer essa análise é você! É um país totalmente diferente do que você já viu. Lá não tem embromation! Ou você trabalha ou morre de fome. Respeito e disciplina estão no topo do comportamento. Será que você está preparado para isso? Dá uma olhada nas dicas da Marina. É muuuuuiito diferente do Brasil!

Caro é o Brasil! É o Rio de Janeiro! Aqui você paga 20 reais para almoçar. Lá no Japão você também almoça por 20 reais, só que ganhando 7 vezes mais do que ganha aqui. Leia este artigo do vida de Tsuge e faça um teste. O que você tem a perder?

Agora, se você quer trabalhar e viver num país onde tudo funciona, onde há justiça, onde quem trabalha tem uma vida digna, onde há respeito, onde há oportunidade de trabalho, não há violência, há educação de qualidade, vida saudável, etc, você encontra isso no Japão. É um país perfeito? Não! Mas a maioria das pessoas que conhece, gosta muito!

trabalho-japao_Trabalho-no-japão_Cultura-japonesa_Vida-de-Tsuge_VDT
trabalho2-japao_Trabalho-no-japão_Cultura-japonesa_Vida-de-Tsuge_VDT

Se você gostou desse post, também vai gostar desses aqui:

Siga a gente nas mídias sociais e fique por dentro de tudo que rola no Vida de Tsuge.

Referências de artigos sobre Trabalhar no Japão:

Jornalista por formação, é curiosa e espontânea. Sua marca registrada é o sorriso. Sabe ser sargentão, mas tem os momentos "deixa a vida me levar". Muito autêntica no seu jeito de ser, é uma mãe "vida loka".